Elastografia

Novo método diagnóstico que utiliza um aparelho de ultrassonografia e que avalia a rigidez dos órgãos examinados.

Elastografia manual – através da compressão com o transdutor sobre a pele, avalia-se, através de uma escala de cores, a rigidez de estruturas superficiais. Grande número de trabalhos já publicados no estudo da tireóide e mamas. Lesões benignas costumam ser mais amolecidas e elásticas, enquanto que lesões malignas são mais rígidas.

Elastografia virtual – uma nova tecnologia, chamada de ARFI (Acoustic Radiation Force Impulse); utiliza pulsos acústicos de curta duração para produzir deslocamentos no tecido examinado. Esses deslocamentos são chamados de ondas de cisalhamento, cuja velocidade é proporcional às características elásticas do tecido examinado. A velocidade do som é mais rápida em tecidos mais endurecidos, indicando a rigidez da estrutura. Princípios físicos semelhantes à elastografia manual, com o grande diferencial de mensurar numericamente o grau de rigidez.

Faz uma análise semelhante à elastografia manual com o diferencial de emitir um pulso automático para a análise de um nódulo, sem a necessidade de compressão das estruturas superficiais.
ARFI é uma técnica segura e não invasiva, fácil e rápida de usar, reprodutível e operador independente.

Principais indicações

 

Figado – Quantificação do grau de fibrose hepática. Quanto maior a fibrose, maior a velocidade do sinal na elastografia. Trabalhos científicos têm correlacionado a elastografia ARFI com a escala METAVIR na avaliação da fibrose hepática e com o FIBROSCAN, que faz a elastografia sem avaliação visual, com resultados semelhantes, com a vantagem de permitir, no mesmo momento, um exame completo abdominal e um Doppler do sistema porta.
Nódulos hepáticos tem sido comparados pela técnica ARFI com resultados animadores na diferenciação entre hemangiomas, adenomas e nódulos metastáticos.


elast2Mama e Tireóide
– Atua como mais um parâmetro na investigação de nódulos e alterações parenquimatosas difusas, facilitando a detecção precoce de lesões de potencial maligno. Auxilia a indicação de biópsias.

Indicações variadas

 

Novas pesquisas estão trazendo inúmeras áreas de utilização para um exame que se propõe a fazer uma palpação virtual.
Pancreatites agudas apresentam valor da onda de cisalhamento estatisticamente maior que o parênquima normal e casos crônicos.
Na área vascular, estudos estão em andamento na avaliação da rigidez da placa carotídea. Investigações estão correlacionando a fibrose no rim transplantado com a velocidade da onda de cisalhamento. Em ginecologia, espessamento endometrial, adenomiose e endometriose profunda estão na lista de pesquisas iniciais.

A RM diagnóstico por imagem é a primeira clínica a disponibilizar esse tipo de exame no Estado do Rio de Janeiro, com o aparelho Siemens S2000, que também realiza todos os exames convencionais de ultrassonografia, inclusive exames obstétricos em 4D.

Responsável Técnico
Dr Raul Muniz – CRM 52.40187.5
Médico assistente do serviço de radiodiagnóstico do Hospital do Câncer II, unidade hospitalar do Instituto Nacional de Câncer
Medico visitante do Hospital Universitário de Valencia, Espanha
Diretor médico da RM diagnóstico por imagem
Diretor médico da Clínica Doppler
Membro titular do Colégio Brasileiro de Radiologia
Membro associado da Sociedade Brasileira de Ultrassonografia

RM Diagnóstico por Imagem - Todos os direitos reservados
Central de atendimento: (21) 3628-3015 | contato@rmdi.com.br

Criação de sites: Niterói WebSites